Outubro rosa: autocuidado também é prevenção

Quando o assunto é autocuidado, rapidamente pensamos na rotina de skincare, no banho relaxante, nas velas aromáticas, naquele momento gostoso consigo mesma - seja lendo um livrinho e bebendo um chá, ou assistindo à série preferida, aquela que deixa até o coração mais quentinho, sabe? E sim, autocuidado tem a ver com tudo isso e, principalmente, com manter a saúde em dia, algo que o Outubro Rosa vem nos alertar.


Autocuidado também tem tudo a ver com autoconhecimento. Quando aprendemos mais sobre nós, sobre o funcionamento da nossa mente e do nosso corpo como um todo, mais rápido conseguimos identificar o que não está indo bem. Por isso, realizar check-ups e exames de rotina é tão importante. Afinal, cuidar de si deve ser sua prioridade e, não, isso não é egoísmo da sua parte. É muito mais sobre se dar amor e celebrar quem você é.


Segundo o INCA - Instituto Nacional do Câncer - o câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais comum; em primeiro lugar está o câncer de pele. De acordo com a estimativa divulgada pela instituição em maio deste ano, mais de 66 mil novos casos de câncer de mama serão diagnosticados entre 2020 e 2022 no Brasil. Só em 2017 ocorreram cerca de 17 mil óbitos devido à doença. 


E diante desses números tão expressivos, conscientizar e informar a população sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama se torna tão necessário. É aí que entra a campanha Outubro Rosa.

O que é e como surgiu o Outubro Rosa?


Você já deve ter reparado que durante o mês de outubro muitas pessoas usam um laço cor-de-rosa junto à roupa e que alguns pontos turísticos, como o Cristo Redentor, ganham uma iluminação rosada durante a mesma época, certo? Essas ações fazem parte do Outubro Rosa, uma campanha de conscientização quanto ao câncer de mama, que surgiu em 1990, nos Estados Unidos. 

Naquele mesmo ano, a Fundação Susan G. Komen for the Cure lançou o laço cor-de-rosa e distribuiu entre os participantes da corrida Race for the Cure, em Nova York. Desde então ele virou o símbolo do movimento - que só ganhou força mais ao fim da década, em 1997, quando entidades americanas começaram a participar de forma mais ativa e a realizar diagnósticos de prevenção.

Foi assim que surgiu o Outubro Rosa, celebrado anualmente com o objetivo de alertar a população sobre a importância de cuidar da saúde, realizar os exames e ter mais consciência quanto ao câncer de mama - desde o diagnóstico ao tratamento - e, assim, reduzir a taxa de mortalidade devido à doença.

No Brasil, a campanha começou 12 anos mais tarde, em 2002, e só foi em 2010 que ela passou a contar com o apoio oficial do INCA, que passou a promover debates, criar materiais de prevenção, entre outras ações. 

O Outubro Rosa e a importância da prevenção

Um estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), aponta que a falta de informações sobre o câncer de mama ainda é muito grande. Por meio de uma pesquisa on-line foi a SBM identificou que a maioria das mulheres acredita que o histórico familiar (95,7%) é o principal fator de risco para o desenvolvimento da doença, só que entre 10 e 20% dos casos são hereditários. Por não terem conhecimento disso, muitas deixam de fazer os exames, acreditando que por não terem casos na família, são menos propensas.

Muitas mulheres acreditam que o autoexame é a melhor forma de identificar um tumor (59,3%). E sim, ele é importante, principalmente por uma questão de autoconhecimento - mas não deve substituir a ida ao médico, nem os exames tradicionais, como a mamografia.
Por meio do autoexame não conseguimos perceber os tumores com menos de 1 cm, por exemplo, o que é perigoso, pois causa uma sensação de “falsa segurança”, fazendo com que muitas pessoas deixem de ir ao médico por achar que está tudo bem.

E talvez você esteja se perguntando: “- Então eu não devo fazer o autoexame?”.
Você deve fazê-lo sim e, inclusive, adotar essa prática na sua rotina de autocuidado. Muitas mulheres descobrem caroços nos seios durante esse processo. O que queremos dizer é que só o autoexame não basta para saber se você tem ou não câncer de mama. Buscar o auxílio de um profissional da saúde é muito importante para saber se realmente está tudo bem com seu corpo. 

Diante de informações desencontradas e de muitas dúvidas por parte das mulheres, o Outubro Rosa se torna essencial para desmistificar o câncer de mama e servir como um espaço aberto para o diálogo, para a descoberta de si mesma. Porque autoconhecimento não tem a ver só com nossa mente e nossas emoções, também está ligado a entender nosso corpo como um todo, amá-lo e cuidá-lo cada vez mais. 

E o que eu devo observar durante o autoexame?

- Fique atenta se você perceber um nódulo fixo, que não causa dor. Se você tem abaixo de 50 anos, identifique se esse nódulo permanece depois de mais um ciclo menstrual. Agora, se você tem acima de 50 e identificou o caroço, vá ao médico.
- Notou alterações nos mamilos?
- Tem saído líquido espontaneamente dos mamilos, sem que você force?
- Você tem pequenos nódulos no pescoço ou nas axilas?
- Como está a pele dos seios? Está avermelhada? Retraída?

Esses indicativos não dizem se você tem ou não câncer de mama, mas ao notar algum ou mais deles, o ideal é que você vá ao médico e faça os exames. 

Agora que você aprendeu mais sobre a importância do Outubro Rosa, esperamos que você cuide cada vez mais de si, que olhe seu corpo com amor, que faça os check-ups, se exercite, mantenha uma alimentação saudável e, claro, que acrescente o autoexame na sua rotina. Afinal, autocuidado também é prevenção. 

E aqui vai uma dica extra: compartilhe esse artigo com suas amigas. Quanto mais informações elas tiverem sobre o câncer de mama, melhor. :)